História da Basílica de Borda da Mata


As origens da Paróquia Nossa Senhora do Carmo

Basílica de Borda da Mata

A Paróquia teve origem nas paróquias de Senhora Santana, na antiga Santana do Sapucaí (hoje Silvanópolis) e na de São Francisco de Paula de Ouro Fino, na Vila de São Francisco de Paula de Ouro Fino. Elas foram criadas em 1746 e 1749, respectivamente, pelo Bispado de São Paulo. Naquela época havia um litígio entre as capitanias de Minas Gerais e São Paulo pela posse das terras localizadas à margem esquerda do Rio Sapucaí, região que se desenvolveu com a descoberta e extração de ouro. Em 1749, com a nova demarcação de divisas entre as Capitanias de Minas Gerais e São Paulo, o PE. Dr. João Bernardo da Costa Estrada toma posse dessas duas paróquias em nome do Bispado de Mariana, da Capitania de Minas Gerais. No entanto, dois anos depois, as duas freguesias de Santana do Sapucaí e a de São Francisco de Paula de Ouro Fino voltaram para a Jurisdição do Bispado de São Paulo. Neste período a Paróquia de São Francisco de Paula de Ouro Fino teve grande expansão. O primeiro vigário da Paróquia Senhora Santana foi o PE. Lino Esteves de Abreu. Quanto à Paróquia de São Francisco de Paula, assumiu o PE. Pedro da Fonseca de Carvalho, embora não conste que tenha tomado posse da mesma.



A criação da Primeira Capela

Capitão Cipriano Pereira de Castro liderou entre os moradores do arraial, a partir do ano de 1827, um movimento em prol da construção da Capela de Nossa Senhora do Carmo. Ele abandona o oratório do Padre Joaquim Manuel Fiúza no bairro São Joaquim das Palmeiras e lança os fundamentos para a construção de uma Capela no planalto onde hoje se encontra o centro da cidade de Borda da Mata. Instruídos pelo Padre Joaquim Borges, na época vigário da paróquia de Ouro Fino, os habitantes do arraial conseguiram dos descendentes dos primeiros povoadores e fazendeiros do lugar a doação de uma gleba de terra para a construção da Capela. Há registros de que a Capela já estava pronta em 1833, uma vez que em documentos da época há a indicação do “Adro da Capela de Borda do Mato”, quando ali foi sepultada Rita de cinco meses, filha de Isidoro da Encarnação Antunes e de Francisca de Paula do Carmo. Se havia Adro, certamente já existia a Capela construída. Os mortos passaram então a ser enterrados no arraial e não mais em Ouro Fino.



Nossa Senhora do Carmo e o Altar Mor

A imagem de Nossa Senhora do Carmo que preside presentemente as procissões da Padroeira no dia 16 de julho foi adquirida na Espanha pelo Padre José de Barros Ferraz da Luz para compor o centro do Altar Mor da Velha Igreja Matriz. A imagem foi benta solenemente em 10 de abril de 1921. Não só os filhos de Borda da Mata, mas todos os inúmeros visitantes de nossa atual Matriz fixam seus olhos atentamente no rosto da imagem de Nossa Senhora do Carmo e percebem o sorriso compassivo e misericordioso da Mãe de Deus em favor de todos. Percebem os devotos e compreendem a mensagem de confiança que ela quer transmitir. O Altar Mor foi talhado em madeira de cedro pelo o senhor João Pinheiro, conhecido artista da cidade de Jacutinga. O altar, que havia sido uma verdadeira obra de arte em madeira de lei, se encontrava bem deteriorado, quando da demolição da Igreja Matriz velha e se perdeu sem condições de restauração.



A Paróquia até os Dias Atuais

O lançamento da pedra fundamental da Nova Matriz de Nossa Senhora do Carmo ocorreu em 16 de julho de 1951. A execução da planta em estilo romano-lombardo foi confiada ao arquiteto Cav. José Sachetti. A construção foi entregue ao Sr. Rogério Gissoni e a direção ao mestre de obras Sr. José Firmo Werneck. As esculturas foram confiadas ao grande mestre das artes sacras, Celestino Roiz Artigas. Começava então a realização de todo esse vasto e grandioso monumento, que iria exigir muito trabalho e que deveria ser o marco da fé e esperança em Borda da Mata. Mesmo sem estar totalmente pronta, a Primeira Missa no local foi realizada na Noite de Natal de 1954, oficiada pelo Revmo. Pároco Cônego Pedro Cintra. Em julho de 1958 estava pronta a Nova Matriz de Borda da Mata. Foi sagrada por seu filho mais ilustre, o Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte, Dom João Rezende Costa. A Matriz de Nossa Senhora do Carmo é um monumento que assinala uma época e o marco do primeiro Centenário da Paróquia, dos cem anos de vida religiosa dos habitantes de Borda da Mata. Em 23 de setembro de 1962 toma posse o 1º Arcebispo da Arquidiocese de Pouso Alegre: Dom José D’Ângelo Neto. Foi nomeado Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Pouso Alegre Dom João Bosco Óliver de Faria. Com o falecimento de Dom José D’Ângelo Neto, toma posse o 2º Arcebispo Dom João Bergese em 22 de junho de 1991. Dom João Bosco toma posse da Diocese de Patos de Minas. Dom João Bergese faleceu repentinamente no ano de 1996 e em três de dezembro do mesmo ano tomou posse o 3º Arcebispo da Arquidiocese de Pouso Alegre, Dom Ricardo Pedro Chaves Pinto Filho. Em 2 de março de 1997 começou o paroquiato do PE. Édson José Oriolo dos Santos, sucedendo o PE. José Donizete Moreira. A gestão de PE. Édson foi modelo de trabalho e organização: fundou 11 Comunidades Urbanas, ativou e organizou 14 Comunidades Rurais, num grandioso trabalho de evangelização.




Publicidade